Jump to content


Photo

Misty por Guelli - Tema do mês de Janeiro 2008


  • Please log in to reply
15 replies to this topic

#1 celso caetano guelli

celso caetano guelli

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 1.015 posts
  • Gender:Male
  • Location:Cotia/SP
  • Interests:Musica em geral

Posted 29 janeiro 2008 - 06:22

Todos que me conhecem sabem que não leio partituras e tenho horror de gravação :shock: :shock: . Mas para contribuir gravei ontem de prima, com microfone do micro e sem efeitos, saiu um monte de coisas erradas, mas ta valendo....

No Play-back utilizado, não deu para improvisar adequadamente face já ter solo de piano na parte de improviso.

Meu Setup: Sax Alto Yamaha 62 -
Boquilha: Sales metal
Palheta: Vandorem Java 1 1/2

Obs.: O Fróes vai anexar o arquivo por mim logo mais a tarde, pois não estou conseguindo anexar.

Attached Files


Sax alto, tenor e soprano

#2 Sandro Sax 10

Sandro Sax 10

    Usuário Destaque

  • Membros
  • PipPipPipPip
  • 547 posts

Posted 29 janeiro 2008 - 07:20

laugh.gif Já de antemão parabéns pela participação ... grande abraço ...Sandro laugh.gif

#3 Prof.Ivan Meyer

Prof.Ivan Meyer

    Fundador do Explicasax

  • Administradores
  • 13.553 posts
  • Gender:Male
  • Location:Pouso Alegre - Sul de Minas Gereais
  • Interests:Música e natureza

Posted 29 janeiro 2008 - 07:50

Guelli , querido a partitura é somente um dos artifícios que temos para nos comunicar ok Charlie Parker pelo que conta a história também não lia partitura (Lembra no filme Bird onde ele acorda o Dizzy no meio da noite para que escrevesse o tema Naws the time para ele ? )Isso não foi impecílio algum para ele ,somente não pode tocar com big bands etc...mas elas queriam e tocaram com ele rsss

Para aprender uma música podemos usar a leitura e o ouvido ,mas nunca sem o ouvido e o principal você ja tem OUVIDO o resto a gente corre atras e inventa rsss

Abração e parabéns pela determinação , mas na música de fevereiro estou colocando uma partitura fácil para que todos possam ler ,pois não vai ter segredo ok

Ivan Meyer

#4 Fróes

Fróes

    Delegado do Explicasax

  • Administradores
  • 7.839 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre - RS - froes.voy@terra.com.br
  • Interests:Sax e Música

Posted 29 janeiro 2008 - 05:46

Meus Queridos,

A performance já foi anexada na primeira postagem por este Moderador, a pedido do Irmão Guelli.

Aproveitem!!!

Abração!!!

[url=http://uploaddeimagens.com.br/images/001/089/616/original/ADMIN63.jpg?1505409711]


#5 celso caetano guelli

celso caetano guelli

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 1.015 posts
  • Gender:Male
  • Location:Cotia/SP
  • Interests:Musica em geral

Posted 30 janeiro 2008 - 06:37

Obrigado Fróes, desde que faço parte deste forum nunca consegui anexar arquivos de MP3 , fotos numa boa, nem o Alexandre conseguiu descubrir o problema.

#6 paulo hery ferreira

paulo hery ferreira

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 2.944 posts
  • Gender:Male
  • Location:Osvaldo Cruz - SP - Brasil
  • Interests:Música e Natureza

Posted 30 janeiro 2008 - 12:11

Alô Guelli
Bonita interpretação. Parabens.
Abraço.
Paulo

#7 edgar

edgar

    Usuário Destaque

  • Membros
  • PipPipPipPip
  • 665 posts
  • Location:São Paulo - SP

Posted 30 janeiro 2008 - 01:09

Muito bom Guelli, estilão anos 60.

Abração
Edgar
Tenor Arena
Alto Conn Director
Soprano CSR By Ivan Meyer

#8 celso caetano guelli

celso caetano guelli

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 1.015 posts
  • Gender:Male
  • Location:Cotia/SP
  • Interests:Musica em geral

Posted 31 janeiro 2008 - 06:13

Obrigado Paulo e Edgar, realmente tenho um estilo mais antigo de tocar, talves por influencia de meu Pai, tanto é que tenho 4 anos de sax e nunca me interessei por agudissimos (mas preciso aprender para poder tocar em bandas modernas)

abração

#9 Prof.Ivan Meyer

Prof.Ivan Meyer

    Fundador do Explicasax

  • Administradores
  • 13.553 posts
  • Gender:Male
  • Location:Pouso Alegre - Sul de Minas Gereais
  • Interests:Música e natureza

Posted 01 fevereiro 2008 - 10:24

(Prof.Ivan Meyer)
Guelli , querido a partitura é somente um dos artifícios que temos para nos comunicar ok Charlie Parker pelo que conta a história também não lia partitura (Lembra no filme Bird onde ele acorda o Dizzy no meio da noite para que escrevesse o tema Naws the time para ele ? )Isso não foi impecílio algum para ele ,somente não pode tocar com big bands etc...mas elas queriam e tocaram com ele rsss

Para aprender uma música podemos usar a leitura e o ouvido ,mas nunca sem o ouvido e o principal você ja tem OUVIDO o resto a gente corre atras e inventa rsss

Abração e parabéns pela determinação , mas na música de fevereiro estou colocando uma partitura fácil para que todos possam ler ,pois não vai ter segredo ok

Ivan Meyer



Oi Guelli, você viu o que escreví ?

Na música de Fevereiro o seu desafio a vencer é LER A TAL DA PARTITURA .

Por isso escolhi uma música com uma leitura facil , sem complicações de leitura e quero queo GUELLI ,NITAMOTO ,GURU E CIA.LTHA estudem a LEITURA de My Romance para gravar pois vou ficar no pé de vocês em relação ao ritimo executado .

SE VIRA ! É uma leitura fácil de fazer e vamos ESTUDAR pois esta é a proposta ok

O seu som é muito bonito e sua expressão ídem , a ÚNICA coisa que me preocupa e que você deve ESFORÇAR é desenvolver seu rítimo e por isso quero que estude a PARTITURA (tema ) e não é isso pois vou escrever um solo ESPECIAL para os saxofonistas DE ESTANTE ...sIM SAXOFONISTAS DE ESTANTE ou melhor DISTANTE ,isso SAXOFONISTAS DISTANTES da partitura rssss

Eu encaro o desafio de ajudar vocês ok

Abração
Ivan Meyer

#10 celso caetano guelli

celso caetano guelli

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 1.015 posts
  • Gender:Male
  • Location:Cotia/SP
  • Interests:Musica em geral

Posted 01 fevereiro 2008 - 10:58

Esse é meu problema, perco o tempo pois fico olhando aquele monte de bolinhas com rabicho, eh,eh,

Prometo vou estudar com carinho o My Romance ( My terrorrrrr )

#11 Prof.Ivan Meyer

Prof.Ivan Meyer

    Fundador do Explicasax

  • Administradores
  • 13.553 posts
  • Gender:Male
  • Location:Pouso Alegre - Sul de Minas Gereais
  • Interests:Música e natureza

Posted 02 fevereiro 2008 - 08:17

(celso caetano guelli)
Esse é meu problema, perco o tempo pois fico olhando aquele monte de bolinhas com rabicho, eh,eh,

Prometo vou estudar com carinho o My Romance ( My terrorrrrr )


Guelli, o lance da leitura é como ler um livro ou um jornal .
É o mesmo esquema !
Não da pra ensinar uma pessoa a ler e escrever usando um texto de física quantica rsss

Se você aprender o ritimo de cada celula ou seja o valor da semibreve, minima, semínima e colcheias ( é o que estou usando em My Romance,por isso escolhi essa música ) vai criar uma imagem no seu cérebro ,igual aque ja criou para muitos amigos que ao atender o telefone e a pessoa falar ALÔ ...somente com isso do outro lado seu cérebro associa uma imagem a esse som e vem o nome da pessoa juntamente com uma imagem .

Vamos usar o mesmo processo para você aprender a ler a tal partitura ou seja POR ASSOCIAÇÃO a uma imagem ok

Pois é assim que você vai aprender a ler OLHA PARA PARTITURA e escutamos o rítimo SEM MESMO TOCAR ....

Um eemplo disso é o texto abaixo :

"as pesqiuass motrsaarm que não ipmotra a odrem das lertas de uma palarva dsede que a pirmirea e a útlima estajem no lguar coerrto, nós smepre sabreoms ler tal plaavra."


TENHO CERTEZA QUE ENTENDEU TUDO E COM A LEITURA MUSICAL NÃO É DIFERENTE DISSO OK


Da uma lida nisso abaixo pois é muito legal ok

Artigos da EINA - Linguagem - Geral
As Palavras que Falamos e as Palavras que Lemos e Escrevemos.
A nossa capacidade de expressão através da linguagem depende principalmente do domínio de um bom vocabulário, isto é, de palavras que representem os objetos que vemos, suas cores e formas, as ações que praticamos, as emoções que sentimos, etc.



Para dominarmos um vocabulário, isto é, sabermos utilizar as palavras adequadas nos contextos corretos, devemos saber o máximo possível acerca dos seus significados. O significado, ou a semântica, de uma palavra deve envolver todas as características que somos capazes de atribuir a ela. No caso de um objeto, devemos lhe atribuir ao menos: um formato para criarmos uma imagem mental e podermos imaginá-lo sem precisarmos vê-lo; utilidades que ele pode ter para nós ou para outros seres, e suas relações com outros objetos.

Mas como nós adquirimos esses conhecimentos?

Ao nascermos, temos pouco conhecimento inato acerca do mundo que nos rodeia e somos, o tempo todo, bombardeado por inúmeras informações sensoriais: imagens, movimentos, sons, etc. Temos que descobrir o que é cada coisa que estamos vendo, ouvindo e sentindo, e ao mesmo tempo descobrir que pode haver várias relações entre tudo isso.


As diferentes áreas do nosso cérebro se especializam em trabalhar distintos tipos de informação.
A ciência descobriu que só conseguimos fazer isso porque cada área do nosso cérebro se encarrega em trabalhar com cada tipo de informação. Assim, há uma área cerebral especialmente desenvolvida, desde o nosso nascimento, para receber a informação visual, é o chamado córtex visual. Outra área cerebral responde aos sons que nossos ouvidos captam. No caso dos sons da voz humana, há uma área mais específica de percepção verbal. Há, ainda, áreas responsáveis pela sensação dos cheiros, dos sabores, do tato, das emoções, e áreas responsáveis também por cada movimento muscular que somos capazes de executar. Dessa forma, cada área se encarrega em conhecer determinados aspectos do mundo.

Uma área visual específica constrói uma imagem mental genérica dos objetos que vemos, para podermos reconhecer o mesmo objeto independente das suas possíveis variações. Por exemplo: uma cadeira pode ter inúmeras formas diferentes, mas todas deverão compartilhar certas características para poderem ser consideradas como cadeiras: quatro ou três pernas, um assento e um encosto. O que o córtex visual faz é justamente criar uma imagem com apenas essas características, para podermos ter um primeiro significado em nossa mente sobre esse objeto.

Depois dessa descoberta, os cientistas começaram a observar que células das várias áreas podem estar conectadas com células de outras áreas, e que dessa forma elas podem compartilhar suas informações. Assim, durante nosso desenvolvimento, nossas áreas cerebrais procuram criar conexões entre fenômenos que possam estar relacionados, e é isso que constitui o aprendizado.


[img]http://www.enscer.com.br/material/artigos/...ens/image55.jpg[/img]
A produção dos sons da voz humana depende dos movimentos musculares dos lábios, da língua, da face e da laringe, controlados pelo córtex motor da face e da orofaringe. Já o reconhecimento desses mesmos sons é serviço de áreas específicas do nosso córtex temporal.



Nascemos com a capacidade de produzir todos os sons de todas as línguas humanas. Porém, temos que aprender a usar apenas aqueles que são falados à nossa volta. Para isso, devem ser reforçadas as ligações entre as células que reconhecem cada som humano à nossa volta, com aquelas capazes de produzir o som ouvido. Esse é um aprendizado muito importante realizado pelo bebê humano, que já se inicia logo após o nascimento, se estende por quase todo o primeiro ano de vida e o prepara para aprender a falar.


Ao mesmo tempo que o bebê humano aprende a produzir os sons da fala que identifica à sua volta, deve também começar a perceber que os sons produzidos pelos adultos possuem alguma relação com os objetos que vêem. Assim, as áreas de percepção e de produção verbal, além de se relacionarem entre si, devem também se relacionarem com a área visual de reconhecimento dos objetos. Dessa forma, estamos finalmente aptos para visualizar mentalmente uma palavra falada e capazes de reproduzi-la a partir da nossa imaginação.

Porém como vimos, construir a semântica de uma palavra envolve vários outros aspectos. No caso de uma cadeira devemos saber que ela serve para sentarmos. Para isso, tanto as áreas de produção e percepção verbal quanto a área visual dos objetos devem se conectar com a área motora que controla os músculos do nosso corpo. Assim, ao ouvirmos o nome desse objeto saberemos que ele está relacionado com o movimento que fazemos para sentar. Como vemos, o significado das palavras envolve diversas áreas cerebrais dependendo dos fenômenos aos quais a palavra pode estar relacionada. Aprender bem uma palavra implica no nosso cérebro conectar o maior número possível de áreas relacionadas com seu significado. Esse processo pode ocorrer durante toda a nossa vida, pois podemos sempre aprender novas palavras e descobrir novas acepções para as palavras que já conhecemos.

Leitura
O aprendizado da leitura também depende do envolvimento de várias áreas. Uma área visual mais específica, denominada parietal, se encarrega em reconhecer as formas visuais das letras. Essa área deve se relacionar com a área temporal verbal que produz os sons para que possamos fonar as letras, sílabas e palavras escritas.


Grupos de letras que aparecem freqüentemente juntas (por exemplo, sílabas e palavras) ativam grupos específicos de neurônios, que por sua vez aumentam a conectividade entre todos os neurônios envolvidos no reconhecimento das diversas letras. Dessa maneira, esses novos neurônios aprendem a reconhecer as sílabas e as palavras escritas de uma língua.


Paralelamente, porém, o cérebro das crianças também tenta criar conexões diretas entre a área visual de reconhecimento de conjuntos de letras e as áreas de memória semântica. Dessa forma, a leitura se torna mais rápida e menos trabalhosa, pois ela não precisa decifrar todas as letras da palavra, descobrir sua pronúncia completa e só então saber do que se trata aquilo que está escrito. Ela conecta alguns neurônios envolvidos no reconhecimento de apenas algumas letras da palavra com os neurônios responsáveis pela sua semântica, e a partir da semântica se torna capaz de fonar a palavra. Esse tipo de leitura, é chamado de Leitura Logográfica.

A leitura Logográfica pode ser desenvolvida pela criança, no início da alfabetização, porque ela conhece poucas palavras escritas. Só a letra V, por exemplo, já pode representar para ela a palavra Vaca. Porém, conforme ela aumenta seu vocabulário de leitura, a letra V pode se confundir com Vermelho, Verde, Vaso, etc; então ela passa a observar que as outras letras também são importantes. Esse processo ocorre também na escrita.

A partir desse momento, a criança está apta para começar a descobrir a estrutura silábica das palavras.

Escrita
O aprendizado da escrita requer um treinamento motor para especializar neurônios da área responsável pelo controle da mão, no córtex motor, para controlar o desenho das diversas letras do alfabeto. Esses neurônios devem se associar àqueles que identificam visualmente as letras no córtex parietal, e também aos neurônios que identificam oralmente os sons equivalentes.

[img]http://www.enscer.com.br/material/artigos/...ens/image60.jpg[/img]À medida em que os neurônios frontais aprendem a escrever as letras, a escrita das palavras passa a ser organizada a partir dos neurônios parietais de memorização visual dessas palavras e de controle visual da movimentação da mão. Esse aprendizado se faz através da potenciação das conexões entre todas essas células.


No processo de cópia, a visão das palavras, realizada no córtex occiptal, ativa os neurônios que as representam no córtex parietal visual, que por sua vez aciona os neurônios parietais e frontais de controle da mão.

No processo de ditado, o som ativa as áreas temporais de percepção das palavras ditadas, que por sua vez acionam os neurônios visuais de suas representações escritas. Esses, finalmente, recrutam os neurônios parietais e frontais de controle da mão. Os processos de cópia e de ditado podem ocorrer sem a participação das áreas responsáveis pela semaântica das palavras. É justamente por isso que muitas vezes a criança e nós mesmos, os adultos, copiamos algo sem prestarmos atenção ao que está escrito.
À medida em que a criança vai aprendendo a ler e escrever palavras, vai descobrindo sua estrutura silábica e adquirindo a consciência de sua estrutura fonológica. Se de início, ela lê e representa graficamente (escreve) as palavras usando apenas algumas de suas letras, nessa segunda etapa já utiliza uma escrita mais silábica, que inclui as sílabas de estrutura mais simples, do tipo, por exemplo, Consoante/Vogal. Esse tipo de leitura e escrita é chamado de Alfabético.

A última etapa da alfabetização e a mais almejada pelos educadores é a Ortográfica, na qual a criança deve escrever conforme as regras tradicionais da gramática. Para isso, ela deve associar cada palavra a um determinado conjunto de letras, mesmo que algumas delas não coincidam com a pronúncia da palavra.


NA ESCRITA MUSICAL É O MESMO PROCESSO
ABRAÇÃO
IAVN MERYE


#12 Leandro.Chaves

Leandro.Chaves

    Usuário

  • Membros
  • Pip
  • 26 posts
  • Interests:Sax e Jazz

Posted 04 fevereiro 2008 - 03:48

Celso,
ouvi outras gravações e apesar da sua informação prévia de que "saiu um monte de coisas erradas" eu te digo que esta gravação mais melódica, mais "chorada" é a que mais me agrada. Adoro a música Misty e ouço em várias interpretações da mesma, todavia, as vozes / gosto que mais aprecio é a gravação da Ella Fitzgerald, 1965 ... ouça no youtube e vai descobrir que a sua gravação seria o acompanhamento perfeito para ela; se posso avaliar a sua interpretação, na minha ignorância musical, seria: NOTA 1.000 pela sensibilidade
Link do video que comentei, para voce ouvir:
http://br.youtube.co...h?v=oNDuH9IJhGA

Forte abraço, menino !


(celso caetano guelli)
Todos que me conhecem sabem que não leio partituras e tenho horror de gravação :shock: :shock: . Mas para contribuir gravei ontem de prima, com microfone do micro e sem efeitos, saiu um monte de coisas erradas, mas ta valendo....

No Play-back utilizado, não deu para improvisar adequadamente face já ter solo de piano na parte de improviso.

Meu Setup: Sax Alto Yamaha 62 -
Boquilha: Sales metal
Palheta: Vandorem Java 1 1/2

Obs.: O Fróes vai anexar o arquivo por mim logo mais a tarde, pois não estou conseguindo anexar.

Leandro Chaves (Campinas - SP) - Sax Alto Michael WASM35 (Eb)
Boquilhas Yamaha 4C / 7C - Palhetas Fibracell 1.1/2

#13 Leandro.Chaves

Leandro.Chaves

    Usuário

  • Membros
  • Pip
  • 26 posts
  • Interests:Sax e Jazz

Posted 04 fevereiro 2008 - 03:49

Celso,
ouvi outras gravações e apesar da sua informação prévia de que "saiu um monte de coisas erradas" eu te digo que esta gravação mais melódica, mais "chorada" é a que mais me agrada. Adoro a música Misty e ouço em várias interpretações da mesma, todavia, as vozes / gosto que mais aprecio é a gravação da Ella Fitzgerald, 1965 ... ouça no youtube e vai descobrir que a sua gravação seria o acompanhamento perfeito para ela; se posso avaliar a sua interpretação, na minha ignorância musical, seria: NOTA 1.000 pela sensibilidade
Link do video que comentei, para voce ouvir:
http://br.youtube.co...h?v=oNDuH9IJhGA

Forte abraço, menino !


(celso caetano guelli)
Todos que me conhecem sabem que não leio partituras e tenho horror de gravação :shock: :shock: . Mas para contribuir gravei ontem de prima, com microfone do micro e sem efeitos, saiu um monte de coisas erradas, mas ta valendo....

No Play-back utilizado, não deu para improvisar adequadamente face já ter solo de piano na parte de improviso.

Meu Setup: Sax Alto Yamaha 62 -
Boquilha: Sales metal
Palheta: Vandorem Java 1 1/2

Obs.: O Fróes vai anexar o arquivo por mim logo mais a tarde, pois não estou conseguindo anexar.

Leandro Chaves (Campinas - SP) - Sax Alto Michael WASM35 (Eb)
Boquilhas Yamaha 4C / 7C - Palhetas Fibracell 1.1/2

#14 celso caetano guelli

celso caetano guelli

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 1.015 posts
  • Gender:Male
  • Location:Cotia/SP
  • Interests:Musica em geral

Posted 05 fevereiro 2008 - 08:32

Poxa, obrigado Leandro, Meu estilo de tocar é meio que antigo mesmo, parte pela minha idade e grande parte por ter nascido e me criado ouvindo meu Pai tocar sax tambem nesse estilo (brega para muitos).

Um grande abraço

#15 Prof.Ivan Meyer

Prof.Ivan Meyer

    Fundador do Explicasax

  • Administradores
  • 13.553 posts
  • Gender:Male
  • Location:Pouso Alegre - Sul de Minas Gereais
  • Interests:Música e natureza

Posted 05 fevereiro 2008 - 09:26

(celso caetano guelli)
Poxa, obrigado Leandro, Meu estilo de tocar é meio que antigo mesmo, parte pela minha idade e grande parte por ter nascido e me criado ouvindo meu Pai tocar sax tambem nesse estilo (brega para muitos).

Um grande abraço


Guelli, conta pra turma o nome do seu pai e a orquestra que ele tocou muitos anos ,pois a orquestra é uma das mais conhecidas do Brasil .

Abração
Ivan Meyer

#16 celso caetano guelli

celso caetano guelli

    Membro Efetivo do Explicasax

  • Membros
  • PipPipPipPipPip
  • 1.015 posts
  • Gender:Male
  • Location:Cotia/SP
  • Interests:Musica em geral

Posted 06 fevereiro 2008 - 06:12

(Prof.Ivan Meyer)
(celso caetano guelli)
Poxa, obrigado Leandro, Meu estilo de tocar é meio que antigo mesmo, parte pela minha idade e grande parte por ter nascido e me criado ouvindo meu Pai tocar sax tambem nesse estilo (brega para muitos).

Um grande abraço


Guelli, conta pra turma o nome do seu pai e a orquestra que ele tocou muitos anos ,pois a orquestra é uma das mais conhecidas do Brasil .

Abração
Ivan Meyer


Pois e, Ivan, meu Pai tocou com : Osmar Milani, Zacaro, Maestro Zezinho, Severino Araujo (em apresentações em SP), Silvio Mazuca Etc...Etc...

Participou de varias gravações do Nelson Gonçalves e de outros Artistas das antigas.

Que saudades !!!




1 user(s) are reading this topic

0 members, 1 guests, 0 anonymous users